Presidente da Guiné-Bissau defende a integridade do país face às sanções dos EUA
© Radio TV BantabaAll Rights Reserved

Por: Geraldo C

Outubro 26, 2023

Outubro 26, 2023

Guiné-Bissau “não é um país envolvido no tráfico”, afirmou o Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, em Lisboa, em resposta à decisão dos Estados Unidos de sancionar o seu país devido a deficiências na luta contra o tráfico humano.

“Na Guiné-Bissau, não estamos envolvidos no tráfico humano, e nunca o estivemos. Já dei instruções ao Ministro dos Negócios Estrangeiros guineense, Carlos Pinto Pereira. A Guiné-Bissau irá reagir a esta acção”

declarou Sissoco Embaló numa conferência de imprensa em Lisboa.

As sanções dos Estados Unidos à Guiné-Bissau, que também se estendem à Guiné Equatorial e a Macau, uma região administrativa especial da China, foram anunciadas na quarta-feira e aplicaram-se à “assistência não humanitária e não relacionada com o comércio”.

“Condenamos esta ação. Os Estados Unidos não podem considerar a Guiné-Bissau um Estado falhado. Nós também pensamos classificar os Estados Unidos como um Estado agressor. Isso é uma falta de respeito e é inaceitável. Não existem Estados pequenos, apenas Estados, e as relações devem ser estabelecidas no respeito mútuo. Por que os Estados Unidos sentem a necessidade de sancionar a Guiné-Bissau? A Guiné-Bissau também pode aplicar sanções aos Estados Unidos”, acrescentou Sissoco Embaló.

Questionado sobre como a Guiné-Bissau poderia sancionar os Estados Unidos, Sissoco Embaló respondeu vagamente: “Somos um Estado, e essa é uma medida que podemos tomar”, sem fornecer detalhes.

Disse “Nossas relações com qualquer outro Estado devem ser baseadas no respeito mútuo. Os Estados Unidos não podem sancionar a Guiné-Bissau, pois não somos um Estado falhado. Isso é inaceitável.”

Os Estados Unidos, ao anunciarem as avaliações contra a Guiné-Bissau, alegam que existem abordagens para atividades que promovem o combate ao tráfico humano ou os interesses nacionais dos EUA, abrangendo programas que incluem treinamento militar, operações de manutenção da paz, desenvolvimento e promoção da saúde.

Guiné-Bissau, Macau e Guiné Equatorial foram incluídas na “lista negra” dos EUA de países com medidas insuficientes para combater o tráfico humano, classificadas no nível três, sendo o nível quatro o mais grave.

Os Estados Unidos estimam que cerca de 27 milhões de pessoas em todo o mundo são vítimas de tráfico humano e trabalho forçado, afetando principalmente mulheres, pessoas da comunidade LGBT e minorias étnicas e religiosas.

//RTB/o democrata

Artigos relacionados

Armando Lona detido pela polícia.


Armando Lona detido pela polícia.

O  Coordenador da Frente Popular, Armando Lona, está detido pelas forças de ordem, na sequência da manifestação pacífica deste sábado, 18, em Bissau. Também, para além da Presidente da Associação Juvenil para Promoção e Defesa dos direitos humanos, a CFM soube da...

Gibril Bodjam detido em Gabú

Gibril Bodjam detido em Gabú

Ativista Social Gibril Bodjam detido esta manhã pela Policia de Ordem Pública de Gabú durante conferência de  imprensa na sequência da marcha convocada pela Frente Popupalar em todo o país. A polícia impediu a continuidade da conferência de imprensa da Frente Popular...

0Comentarios

0 Comments

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE