PAI – Terra Ranka Exige Fim da Interferência Presidencial na Campanha Eleitoral
© Radio TV BantabaAll Rights Reserved

Por: Redação

Maio 23, 2023

Maio 23, 2023

Lusa

A coligação eleitoral Plataforma Aliança Inclusiva (PAI) – Terra Ranka apela ao Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, que deixe “de se intrometer na campanha eleitoral” e cumpra a lei, numa carta aberta hoje endereçada ao líder do Estado.

No documento, a coligação solicita a Umaro Sissoco Embaló para “deixar de se intrometer na campanha eleitoral, nomeadamente através de declarações de apoio a determinados partidos, convocando explicitamente os guineenses a não votarem na PAI – Terra Ranka, ou anunciando intenções de não nomear determinadas figuras, caso o PAIGC, no âmbito da sua coligação, vença as eleições”.

A coligação PAI – Terra Ranka é liderada pelo Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), que ganhou as últimas eleições legislativas em 2019, mas foi depois afastado do governo.

Na semana passada, o líder do Estado anunciou publicamente que não iria nomear como primeiro-ministro Domingos Simões Pereira ou Geraldo Martins, presidente e vice-presidente do PAIGC, respetivamente, se a coligação PAI – Terra Ranka vencesse as eleições legislativas de 4 de junho.

O Presidente reconheceu, no entanto, uma coligação entre a PAI – Terra Ranka e o Movimento Alternância Democrática (Madem-G15), apoiado pelo líder do Estado, do qual é também um dos fundadores, e criado por um grupo de dissidentes do PAIGC.

“Além de constituir uma clara violação da lei, estas ações não são dignas de um Presidente da República e apenas mostram que tem plena consciência da direção em que o pêndulo eleitoral está a mover-se”, afirma-se na carta, que foi também enviada para a comunidade internacional, sociedade civil e imprensa.

A PAI – Terra Ranka adverte o Presidente da República que a sua “intromissão na campanha eleitoral”, que decorre até 02 de junho, “terá consequências”, pois representa “um desrespeito aos guineenses” e porque “nada poderá impedir que a vontade do povo seja concretizada”.

“A soberania reside no povo e não em qualquer outra entidade”, sublinha a coligação liderada pelo PAIGC.

A PAI – Terra Ranka exige também que seja removida a imagem do Presidente guineense do material de propaganda eleitoral dos partidos políticos concorrentes às eleições legislativas, por violarem a lei eleitoral, e “instruir as forças de defesa e segurança para não se envolverem no processo eleitoral, além da missão que lhes é atribuída”.

A coligação também alerta para a “ilegalidade de todos os atos governamentais que não estejam relacionados com a gestão dos assuntos correntes do país, particularmente a assinatura de acordos internacionais, sem a existência de um programa e orçamentos aprovados, e sem a aprovação dos órgãos de supervisão e controlo”.

O líder do Estado dissolveu o parlamento em maio de 2022 e formou um Governo de iniciativa presidencial.

A PAI – Terra Ranka denunciou também os “atos de governação que se têm multiplicado com a simples intenção de enganar o povo com soluções milagrosas a questões que nunca foram motivo de preocupação e para as quais não tem qualquer solução realista”.

O líder do Estado é também instado a abster-se de “encontros de caráter político” por “configurar uma tentativa de adulteração do jogo democrático e de favorecimento de uns em detrimento de outros” e a adiar para o período pós-eleitoral a receção de dignitários estrangeiros, para “evitar constrangimentos de ordem protocolar e de segurança”.

Duas coligações e 20 partidos políticos deram início em 13 de maio à campanha eleitoral para as sétimas eleições legislativas de 04 de junho da Guiné-Bissau, após o parlamento guineense ter sido dissolvido a 18 de maio de 2022.

A campanha eleitoral decorrerá até 02 de junho.

RTB/Lusa

Artigos relacionados

Armando Lona detido pela polícia.


Armando Lona detido pela polícia.

O  Coordenador da Frente Popular, Armando Lona, está detido pelas forças de ordem, na sequência da manifestação pacífica deste sábado, 18, em Bissau. Também, para além da Presidente da Associação Juvenil para Promoção e Defesa dos direitos humanos, a CFM soube da...

Gibril Bodjam detido em Gabú

Gibril Bodjam detido em Gabú

Ativista Social Gibril Bodjam detido esta manhã pela Policia de Ordem Pública de Gabú durante conferência de  imprensa na sequência da marcha convocada pela Frente Popupalar em todo o país. A polícia impediu a continuidade da conferência de imprensa da Frente Popular...

0Comentarios

0 Comments

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE