Níger: Junta Ameaça matar Presidente Deposto em Caso de Intervenção Militar
© Radio TV BantabaAll Rights Reserved

Por: Redação

Agosto 10, 2023

Agosto 10, 2023

AP

NIAMEY, Níger — A junta do Níger informou a um diplomata sénior dos EUA que mataria o Presidente deposto Mohamed Bazoum se os países vizinhos tentassem qualquer intervenção militar para restaurar o seu mandato, disseram dois oficiais ocidentais à Associated Press.

Falaram com a AP pouco antes de o bloco da África Ocidental, CEDEAO, anunciar que havia ordenado a implantação de uma “força de reserva” para restaurar a democracia no Níger, depois de expirado o seu prazo no domingo para restituir Bazoum.

A ameaça ao presidente deposto aumenta a tensão tanto para a CEDEAO quanto para a junta, que mostrou sua disposição em intensificar suas ações desde que assumiu o poder em 26 de julho. O Níger era visto como o último país da região do Sahel ao sul do deserto do Saara com quem as nações ocidentais poderiam colaborar para combater a violência jihadista ligada à al-Qaida e ao grupo Estado Islâmico que matou milhares e deslocou milhões de pessoas. A comunidade internacional está a tentar encontrar uma solução pacífica para a crise de liderança no país.

Representantes da junta informaram a Subsecretária de Estado dos EUA, Victoria Nuland, sobre a ameaça a Bazoum durante sua visita ao país esta semana, disse um oficial militar ocidental, falando anonimamente devido à sensibilidade da situação.

Um oficial dos EUA confirmou essa conta, também sob condição de anonimato, porque não estava autorizado a falar com a mídia.

As ameaças de ambos os lados intensificam as tensões, mas esperançosamente as aproximam de um diálogo real, disse Aneliese Bernard, ex-oficial do Departamento de Estado dos EUA especializada em assuntos africanos e agora diretora da Strategic Stabilization Advisors, um grupo consultivo de risco.

“Contudo, esta junta tem intensificado suas ações tão rapidamente que é possível que façam algo ainda mais extremo, pois tem sido a sua abordagem até agora”, advertiu ela.

Nove líderes do bloco da África Ocidental de 15 membros reuniram-se na quinta-feira na capital nigeriana, Abuja, para discutir os próximos passos.

Após as conversações, o presidente da comissão da CEDEAO, Omar Alieu Touray, disse que só podia reafirmar as decisões tomadas pelas “autoridades militares na sub-região para implantar uma força de reserva da comunidade.”

A financiamento foi discutido e “medidas apropriadas foram tomadas”, disse ele.

Ele culpou a junta por qualquer dificuldade causada pelas sanções impostas ao Níger e disse que futuras ações do bloco seriam tomadas em conjunto.

“Não é um país contra outro país. A comunidade tem instrumentos aos quais todos os membros aderiram”, afirmou.

Um ex-oficial do Exército Britânico que trabalhou na Nigéria disse à Associated Press que a declaração da CEDEAO pode ser vista como o sinal verde para começar a reunir suas forças com o objetivo final de restaurar a ordem constitucional.

Relativamente ao uso da força, o oficial, que não estava autorizado a falar com a mídia, disse que atualmente não há nada em vigor além das forças nigerianas. Sem facilitadores e o apoio de outros exércitos regionais, é improvável que entrem, disse o oficial.

A CEDEAO impôs severas sanções económicas e de viagem ao Níger, mas os analistas dizem que pode estar a ficar sem opções à medida que o apoio à intervenção diminui. O bloco não conseguiu impedir golpes anteriores na região: o Níger é o quarto dos seus estados-membros a sofrer um golpe nos últimos três anos.

Nnamdi Obasi, conselheiro sénior do grupo de reflexão Crisis Group, disse que a CEDEAO deveria explorar mais a diplomacia no Níger.

“O uso da força pode levar a consequências imprevistas e catastróficas com resultados imprevisíveis”, disse ele, alertando que uma intervenção militar também poderia desencadear um “grande conflito regional” entre governos democráticos e uma aliança de regimes militares.

A União Africana ainda não se pronunciou sobre esta crise.

“O Conselho de Paz e Segurança da UA poderia bem anular esta decisão da CEDEAO se sentisse que a paz e a segurança mais amplas no continente estavam ameaçadas por uma intervenção”, disse Cameron Hudson, ex-oficial da Central Intelligence Agency dos EUA.

“Qualquer golpe que tenha tido sucesso além de 24 horas veio para ficar. Assim, como está, eles estão a falar a partir de um ponto de força e vantagem”, disse Oladeinde Ariyo, analista de segurança na Nigéria. “Por isso, negociar com eles terá de ser nos seus próprios termos.”

A junta cortou laços com a França e explorou as queixas populares em relação ao seu antigo colonizador. Também pediu ajuda ao grupo mercenário russo Wagner, que opera em alguns países africanos e foi acusado de cometer violações dos direitos humanos.

Moscovo está a usar Wagner e outros canais de influência para desacreditar as nações ocidentais, afirmou Lou Osborn, investigadora do projeto All Eyes on Wagner.

As táticas incluem usar as redes sociais para espalhar rumores, mobilizar manifestações e espalhar narrativas falsas, disse Osborn.

Ela apontou para uma postagem no Telegram na quarta-feira de um suposto operativo Wagner, Alexander Ivanov, afirmando que a França havia começado a “remoção em massa de crianças” provavelmente a serem usadas para trabalho escravo e exploração sexual.

Nem o governo russo nem Wagner responderam às questões.

Entretanto, os cerca de 25 milhões de habitantes do Níger estão a sentir o impacto das sanções.

Alguns bairros da capital, Niamey, têm pouco acesso à eletricidade e há cortes frequentes de energia em toda a cidade. O país recebe até 90% da sua energia da Nigéria, que cortou parte do fornecimento.

Desde o golpe, Hamidou Albade, de 48 anos, disse que não consegue manter a sua loja aberta nos arredores de Niamey devido à falta de eletricidade. Ele também trabalha como taxista, mas perdeu negócio porque muitos dos seus clientes estrangeiros se foram embora.

“É muito difícil, só fico em casa sem fazer nada,” disse ele. No entanto, ele apoia a junta. “Estamos a sofrer agora, mas sei que a junta encontrará uma solução para sair desta crise,” afirmou.

RTB/AP

Artigos relacionados

Kano, Nigeria/ O Parlamento da CEDEAO elege uma nova Presidente.

Kano, Nigeria/ O Parlamento da CEDEAO elege uma nova Presidente.

O Parlamento da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, reunido em Kano, na Nigéria, elegeu uma nova Presidente durante os trabalhos da Segunda Sessão Extraordinária da Sexta Legislatura.A nova Presidente é Memounatou Ibrahima, deputada do Togo, que...

0Comentarios

0 Comments

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE