Hamas denuncia cumplicidade da ONU com Israel na remoção forçada de civis em Gaza
© Radio TV BantabaAll Rights Reserved

Por: Geraldo C

Novembro 8, 2023

Novembro 8, 2023

O grupo islâmico palestino Hamas acusou a ONU de conivência com Israel na movimentação forçada de cidadãos na Faixa de Gaza.

Alegaram que a UNRWA e os seus funcionários são responsáveis por esta situação e que a agência da ONU abandonou os seus cargos e abdicou da responsabilidade em relação aos habitantes do norte de Gaza.

O Hamas também denunciou a conivência da UNRWA com Israel em seus planos de remoção forçada. A UNRWA é responsável por fornecer assistência a refugiados palestinos na região.

No comunicado, o chefe de imprensa do Hamas, Salameh Maarouf, denunciou a “clara conivência” da agência da ONU com Israel “e os seus planos de deslocação forçada”.

A UNRWA deixou a população palestiniana “sem abrigo, água, alimentos ou tratamento” e fez “orelhas moucas aos gritos de dor e sofrimento”, acrescentou, citado pela agência francesa AFP.

O raro ataque do Hamas à agência da ONU surge no momento em que o número de palestinianos que abandonam diariamente o norte da Faixa de Gaza em direção ao sul parece ter aumentado consideravelmente.

Ao longo do dia de hoje, segundo a AFP, milhares de palestinianos desesperados fugiram a pé do norte da Faixa de Gaza.

O Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários disse hoje que cerca de 15.000 pessoas fugiram na terça-feira, em comparação com 5.000 na segunda-feira e 2.000 no domingo.

De acordo com a ONU, cerca de 1,5 milhões de habitantes de Gaza abandonaram as suas casas desde o início da guerra.

A UNRWA fornece educação, saúde e serviços sociais, micro-financiamento, melhorias nos campos e assistência de emergência a milhões de refugiados que vivem na Faixa de Gaza, na Cisjordânia, na Jordânia, no Líbano e na Síria.

Os serviços destinam-se aos mais necessitados entre os refugiados, palestinianos que foram obrigados a abandonar a terra natal aquando da criação do Estado de Israel em 1948.

Juntamente com os descendentes, constituem hoje cerca de 80% dos 2,3 milhões de habitantes da Faixa de Gaza, segundo dados da UNRWA.

A agência da ONU afirma que já não pode ajudar dezenas de milhares de pessoas deslocadas, que se refugiam nas escolas que gere no norte da Faixa de Gaza, desde que Israel ordenou a saída da população para o sul nos primeiros dias da guerra com o Hamas.

De acordo a UNRWA, 89 dos seus funcionários foram mortos na Faixa de Gaza desde o início da ofensiva militar israelita, em represália ao ataque do movimento islamita em Israel, em 07 de outubro.

Segundo Israel, morreram pelo menos 1.400 pessoas, a maioria das quais civis mortos no mesmo dia do ataque do Hamas, que ainda fez mais de duas centenas de reféns.

Mais de 10.500 pessoas foram mortas nos bombardeamentos israelitas na Faixa de Gaza, a grande maioria civis, segundo o Hamas.

A diretora regional do Fundo das Nações Unidas para a População para os Estados Árabes, Laila Baker, disse hoje estar “sem palavras para descrever a situação catastrófica no terreno e a perda de humanidade total” a que se assiste em Gaza.

“É uma brutalidade sem precedentes e sem paralelo na história da humanidade nos últimos tempos”, afirmou, citada pela publicação ‘online’ Middle East Monitor

//RTB/Lusa

Artigos relacionados

Armando Lona detido pela polícia.


Armando Lona detido pela polícia.

O  Coordenador da Frente Popular, Armando Lona, está detido pelas forças de ordem, na sequência da manifestação pacífica deste sábado, 18, em Bissau. Também, para além da Presidente da Associação Juvenil para Promoção e Defesa dos direitos humanos, a CFM soube da...

Gibril Bodjam detido em Gabú

Gibril Bodjam detido em Gabú

Ativista Social Gibril Bodjam detido esta manhã pela Policia de Ordem Pública de Gabú durante conferência de  imprensa na sequência da marcha...

0Comentarios

0 Comments

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE