Guiné-Conakry — Junta concorda em retornar ao governo civil em 2 anos
© Radio TV BantabaAll Rights Reserved

Por: Redação

Outubro 25, 2022

Outubro 25, 2022

A junta governante da Guiné concordou em restaurar o governo civil em dois anos, após enfrentar sanções sobre o seu plano inicial de transferência de poder de três anos, disse o bloco da África Ocidental CEDEAO na sexta-feira.

No mês passado, líderes da África Ocidental suspenderam a Guiné do bloco e impuseram sanções a vários indivíduos após um golpe militar.

“Num compromisso dinâmico, especialistas da CEDEAO e da Guiné desenvolveram conjuntamente um cronograma consolidado (calendário) para uma transição ao longo de 24 meses”, disse a CEDEAO num relatório após uma missão técnica ao país publicada nas médias sociais pela junta.

O líder militar do país, coronel Mamady Doumbouya, disse num discurso transmitido pela televisão estatal que o cronograma entraria em vigor a partir de 1º de janeiro de 2023.

Os líderes da Comunidade Económico dos Estados da África Ocidental devem aprovar o cronograma antes da sua implementação oficial, devendo o bloco realizar uma cúpula antes do final do ano.

O bloco deu a junta um mês para apresentar um cronograma “razoável e aceitável” para o retorno ao regime civil, um ultimato que teoricamente expira neste fim de semana.

Os vínculos diplomáticos entre os dois lados permaneceram e as autoridades guineenses reiteraram a sua disponibilidade para cooperar com a CEDEAO, que despachou a sua missão para Conacri para elaborar um cronograma de compromisso.

O estado da África Ocidental pobre, mas rico em minerais, está sob um governo militar desde um golpe de setembro de 2021 que derrubou o presidente Alpha Conde após mais de 10 anos no poder.

Desde então, o coronel Doumbouya se autoproclamou presidente e prometeu restaurar o governo civil dentro de três anos.

Vários funcionários da África Ocidental indicaram que um período de transição de dois anos seria aceitável.

Um prazo semelhante foi acordado entre a CEDEAO e a junta no vizinho Mali após meses de disputas.

Sob os termos desse acordo, alcançado em julho, os militares malianos deveriam entregar o poder em março de 2024. Naquela época, eles estariam no poder por mais de três anos e meio desde que derrubaram o presidente civil eleito em agosto de 2020.

Nos últimos anos, a CEDEAO testemunhou uma sucessão de golpes militares na África Ocidental, em 2020 e 2021 no Mali, em 2021 na Guiné e duas vezes este ano no Burquina Faso.

Diante das autoridades militares, o bloco aumentou devidamente as suas cúpulas e missões nos países, ao mesmo tempo, em que aumentou a pressão para encurtar os períodos de transição de volta ao governo civil.

Quatro mortos em confrontos
O compromisso de transição foi alcançado depois que as manifestações eclodiram na quinta-feira na capital Conacri, com jovens manifestantes entrando em confronto com as forças de segurança e o grupo de oposição Frente Nacional para a Defesa da Constituição, alegando que quatro civis foram mortos.

O FNDC – proibido pela junta – havia convocado os protestos para exigir um retorno rápido a um governo liderado por civis e a libertação de todos os prisioneiros detidos por razões políticas.

Em resposta, o principal procurador da Guiné pediu na sexta-feira uma repressão aos organizadores e participantes de um gigantesco protesto anti governo no qual ele disse que seis agentes de segurança foram feridos enquanto a oposição disse que quatro civis foram mortos.

O FNDC identificou três das pessoas mortas como Thierno Bella Diallo, Boubacar Diallo e Thierno Moussa Barry. Ele disse que 20 pessoas sofreram ferimentos a bala, enquanto muitas outras foram presas.

O ministro da Justiça, Alphonse Charles Wright, confirmou as suas mortes num comunicado na sexta-feira, mas disse que as causas “continuam a ser esclarecidas por autópsia”.

Ele ordenou processos, sem comentar os supostos perpetradores.

RTB/VOA

Artigos relacionados

Casa de Ntupé foi atacada “a tiros “por pessoas desconhecidas.

Casa de Ntupé foi atacada “a tiros “por pessoas desconhecidas.

A casa do advogado e analista jurídico Marcelino Intupé foi atacada a tiros esta noite (05.12) por pessoas desconhecidas, informou a Rádio Sol mansi. “Estas informações foram confirmadas por pessoas próximas à sua residência e por fontes policiais que...

0Comentarios

0 Comments

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE