Federação de luta revela que atletas Guineenses são assediados por outros países
© Radio TV BantabaAll Rights Reserved

Por: Mamasamba Balde

Junho 5, 2022

Junho 5, 2022

O presidente da Federação de Luta da Guiné-Bissau (FLGB), João Bernardino Soares da Gama, revelou que atletas nacionais da modalidade de luta livre têm recebido convites para competir em nome dos outros países em competições internacionais, devido à falta de condições. Acrescentou que nenhuma dessas intenções foi concretizada, porque “o patriotismo pesou bastante nas decisões dos atletas nacionais desta modalidade, que tem conquistado, há vários anos, muitas medalhas para a Guiné-Bissau”.

“Têm havido solicitações constantes aos nossos atletas. Augusto Midana e Diamantino Luna Fafé receberam solicitações. São jovens atletas que impressionam qualquer dirigente ou desportistas que acompanham esta modalidade”, disse, para de seguida alertar que se trata de um risco que a Guiné-Bissau continua a enfrentar, devido à falta de apoio aos atletas nacionais”, disse.

“Continuamos a sensibilizar os atletas de luta a continuarem a competir em nome do país, mas chegará um momento em que os atletas não vão aceitar ouvir  os conselhos dos dirigentes da federação e lutarão por melhores condições de vida”, sublinhou João Bernardino Soares da Gama.

O dirigente federativo frisou que os atletas simplesmente estão a reclamar melhorias de condições de trabalho, sobretudo a nível das competições internacionais, onde representam a nação guineense, acabando por trazer medalhas para a Guiné-Bissau.

A Guiné-Bissau recentemente conquistou duas medalhas de ouro e uma de bronze, graças à proeza dos atletas Bacar Midana, M’bundé Cumba Mbali e Diamantino Luna Fafé, na última edição do Campeonato Africano de Luta, que decorreu de 17 a 22 de maio, em Marrocos.

Segundo a explicação de Soares da Gama, a instituição federativa nacional de luta recebeu em diversas ocasiões felicitações da Federação Internacional pelo seu desempenho nesta modalidade, apesar das dificuldades financeiras do organismo.

O presidente da FLGB revelou que em 2021 uma delegação da Federação de Internacional deveria ter visitado a Guiné-Bissau para constatar a realidade do país e para tentar perceber como é que consegue produzir excelentes atletas, como trabalham e como vivem, mas não se concretizou, devido à pandemia da Covid-19.

“Os contatos ainda mantêm-se e temos estado a trabalhar para que essa visita seja uma realidade ainda este ano”, indicou o presidente da FLGB.

Gama sublinhou que, apesar do êxito que a Guiné-Bissau tem tido nesta modalidade, o organismo que dirige tem uma dívida de 7 milhões de francos CFA com a Federação Internacional de Luta, na sequência da sua ausência no Campeonato Mundial de 2021, na Noruega. Com esta dívida, o país não tem recebido ajuda técnica e financeira do organismo que dirige a modalidade a nível mundial.

Perante estes fatos, mostrou-se preocupado com a situação, salientou, contudo, que o Comité Olímpico da Guiné-Bissau (COGB) está a fazer diligências junto da Federação Internacional para amortizar a dívida em causa.

Sobre o engajamento do executivo com a modalidade de luta, o presidente da FLGB disse que o executivo deve prestar uma atenção especial à modalidade, uma vez que sempre traz melhores resultados e visibilidade para a Guiné-Bissau.

“A luta não merece passar por tudo isso e o país deve parar de mendigar, temos que trabalhar todos para criar condições à federação de luta, porque os resultados são visíveis a olhos de todos “, disse.

PRESIDENTE DA FEDERAÇÃO: “AUGUSTO MINADA VAI INTEGRAR A DIREÇÃO DE LUTA LIVRE DA GUINÉ-BISSAU”

Questionado pelo Democrata sobre o futuro do lendário atleta, Augusto Midana, nove vezes campeão africano na categoria de 74 kg, Soares da Gama revelou que o órgão que dirige vai fazer um festival nacional de luta que servirá para o despedida do atleta. Segundo a explicação de Gama, além deste evento, Midana vai integrar a direção técnica da FLGB para transmitir a sua experiência aos atletas jovens, incluindo o seu sobrinho, Bacar Midana.

Gama revelou ainda que a FLGB vai lutar para  que o executivo possa fixar um salário mensal ao Augusto Midana pelo êxito conseguido em competições internacionais, em representação da nação guineense. Dados disponíveis indicam que o atleta conquistou 20 medalhas para a Guiné-Bissau, 10 dos quais são de ouro.

O atleta nacional participou nos quatro Jogos Olímpicos, embora nunca tenha conseguido conquistar a primeira medalha Olímpica para a Guiné-Bissau.

Em relação as futuras competições da modalidade, João Bernardino Soares da Gama frisou que o órgão está a preparar-se para o Jogo Islâmico da Solidariedade a realizar-se no mês de agosto na Turquia, bem com perspetiva organizar internamente um evento de luta, onde tomarão parte os atletas que não conseguiram participar no Campeonato Africano de Luta realizado no Marrocos.

Neste certame, a Guiné-Bissau foi um dos países com grande recorde na participação, ou seja, foi o país que mais conquistou medalhas.

//RTB – Democrata

@Tidjane Cande

Artigos relacionados

CNE: ANP admite assumir responsabilidade caso não haja consenso.

CNE: ANP admite assumir responsabilidade caso não haja consenso.

O Presidente da Assembleia Nacional Popular(ANP) Cipriano Cassamá,  almeja  “consenso “ entre partidos políticos, admitindo que o Parlamento guineense assumirá a sua responsabilidade para “desbloquear o país”. Em Declaração à imprensa esta quinta-feira (08.12) à saída...

0Comentarios

0 Comments

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE