Guiné -Bissau: O Governo pretende diminuir a pressão fiscal sobre bens essenciais.
© Radio TV BantabaAll Rights Reserved

Por: Mamasamba Balde

Abril 19, 2022

Abril 19, 2022

O ministro das Finanças, João Alage Mamadu Fadia, admitiu que o governo poderá diminuir a pressão fiscal sobre os produtos de base, entre outras medidas, para conter os efeitos da pandemia e da guerra na Ucrânia no mercado interno.

Fadia respondia à questão dos jornalistas sobre medidas que o governo vai adotar para conter a subida dos preços dos bens essenciais e dos combustíveis, durante uma conferência de imprensa conjunta com uma Missão de avaliação do Fundo Monetário Internacional.

“As condições são como são e vamos ter que enfrentá-las com medidas apropriadas a seu tempo”, disse reconhecendo que o país está dependente da produção e da exportação da castanha de caju.

O governante frisou que a pressão externa sobre a atividade do caju é um risco que o país deverá enfrentar e superar, por isso defendeu a diversificação na produção nacional.

“O país tem potencialidades turísticas, uma das maiores indústrias do mundo. É preciso todos trabalharmos para conseguir o que queremos e diversificar a produção de arroz e começar a exportá-lo”, sublinhou, para de seguida assegurar que o governo vai analisar atentamente o relatório do Fundo Monetário Internacional para tomar medidas necessárias.

O FMI recomendou ao país a diversificação da economia que considera ser a chave do programa de desenvolvimento, tendo alertado que a economia da Guiné-Bissau é “excessivamente” dependente da produção da castanha de caju, o que, na opinião do chefe da missão, deixa o país altamente exposto a flutuações de preços internacionais e às condições climáticas locais.

A missão da terceira avaliação do fundo ao país iniciou desde o dia 05 de abril de forma virtual e presencial começou no dia 12 do mês em curso, com os técnicos do fundo em Bissau. A avaliação insere-se no âmbito do programa de referência iniciado em julho de 2021. A equipa do fundo reuniu-se, durante a avaliação, com os técnicos das Finanças, da Administração Pública, da Economia, do Tribunal de Contas e da direção do banco central – BCEAO.

//RTB- DEMOCRATA

Por: TIDJANE CANDE

Artigos relacionados

CNE: ANP admite assumir responsabilidade caso não haja consenso.

CNE: ANP admite assumir responsabilidade caso não haja consenso.

O Presidente da Assembleia Nacional Popular(ANP) Cipriano Cassamá,  almeja  “consenso “ entre partidos políticos, admitindo que o Parlamento guineense assumirá a sua responsabilidade para “desbloquear o país”. Em Declaração à imprensa esta quinta-feira (08.12) à saída...

0Comentarios

0 Comments

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE