Sociedade civil promete sair às ruas, para manifestar contra a decisão dos técnicos de saúde

Sociedade civil promete sair às ruas, para manifestar contra a decisão dos técnicos de saúde

Várias organizações que compõem concertação da sociedade civil guineense culpam o governo pela paralisação dos hospitais públicos. As organizações consideram catastrófica a situação em que o país se encontra e prometem sair às ruas, para se manifestar, contra a decisão dos técnicos de saúde que recusam prestar os serviços mínimos, uma medida que classificam um boicote.

“Iremos assumir as nossas responsabilidades para convocar uma manifestação em todo território nacional, com vista a denunciar essas barbaridades e exigir ao governo para assumir as suas responsabilidades.”Abubacar Turé Vice-Presidente da organização da sociedade civil Guineense.

A Guiné-bissau enfrenta neste momento uma paralisação total do setor de saúde pública convocada por médicos e técnicos de saúde por tempo indeterminado. Em causa está a falta de pagamento dos atrasados salariais.

“Quem é o responsável direto das mortes que estão a acontecer nesse momento, dos abandonos do sistema de saúde neste momento da parte dos Utens? O responsável número é o governo. Quem governa perde legitimidade quando não está em condições de criar condições mínimas para o funcionamento, por exemplo, do sistema de saúde.” Adianta ainda Abubacar Turé.

Os doentes internados e outros que procuravam a assistência médica no Hospital NSM recorreram às clínicas privadas.

“Não há nenhuma greve no mundo em que não se observa os serviços. As organizações sindicais devem saber que, podem perder a legitimidade e o direito fundamental de exercer o sindicalismo decretar greves quando violam e ultrapassam os limites impostos pela lei.” Termina o vice presidente Abubacar Turé.

Em todo o território guineense, todo o sistema nacional de saúde está paralisado.

RTP AFRICA
SC – RTB

Redação