“É inadmissível entrar hoje e ter um salário de quinhentos mil francos CFA” disse Mário Banca.
© Radio TV BantabaAll Rights Reserved

Por: Mamasamba Balde

Abril 6, 2022

Abril 6, 2022

Mário Banca presidente do Sindicato de base dos Trabalhadores da Empresa da Eletricidade e Águas da Guiné-Bissau (EAGB),  responsabilizou o governo pela situação que os funcionários da empresa estão a passar.

Presidente do Sindicato de base dos Trabalhadores da Empresa da Eletricidade e Águas da Guiné-Bissau (EAGB), Mário Banca acusou o governo de contratar um consórcio português para gestão da EAGB, mas não fiscaliza se os acordos de performance estão ou não a ser respeitados.

A greve afetou os serviços de luz e água, mas há zonas com fornecimento de luz e água regular, resultado de um acordo com o patronato, apenas zonas com avaria ficarão sem manutenção, porque os técnicos associados estarão em greve até sexta-feira, 8 de abril.

Banca defendeu que é necessário a intervenção urgente do governo para melhor se inteirar da real situação e, consequentemente, apresentar soluções consentâneas.

Por outro lado Mário Banca, na terça-feira o sindicato reuniu-se com o governo, o consórcio das empresas portuguesas, entidade que administra a EAGB, mas não chegaram a uma conclusão porque, segundo disse, não havia novidades nas soluções apresentadas pelas duas entidades.

“As duas entidades apenas apresentaram um pedido de levantamento da greve”

O sindicato de base da EAGB exige o pagamento de dezoito meses de salários em atraso, de oito meses de providência social, harmonização e reajustes de salários, pagamento regular de salários e melhoria de condições de trabalho.

O sindicalista disse que os serviços mínimos serão garantidos apenas para os hospitais Nacional Simão Mendes e o Hospital Principal Militar, por uma equipa de cinco eletricistas e dois canalizadores. 

Mário Banca denunciou que nos últimos tempos o recrutamento, na empresa, tem sido na base da conveniência familiar, amizade e partidária e os salários são fixados de forma arbitrária devido à influência no recrutamento.

“Mediante um trabalho de inquérito feito em 2018 e 2019, o sindicato descobriu dez funcionários fantasmas”, revelou e disse que, se exigências dos trabalhadores não forem cumpridas, o sindicato entregará novo pré-aviso de greve de sete dias na próxima sexta-feira e depois marchas pacíficas para exigir que empresa e o governo satisfaçam as reivindicações dos funcionários.

“É inadmissível entrar hoje e ter um salário de quinhentos ou seiscentos e tal mil francos CFA, só porque tem licenciatura e outros com mais de dez anos de serviço continuam a receber duzentos mil francos CFA” , criticou Mário Banca presidente do Sindicato de base dos Trabalhadores da Empresa da Eletricidade e Águas da Guiné-Bissau (EAGB).

//RTB – Democrata

Artigos relacionados

Caso Marcelino Intupe: MADEM G-15 chama atenção.

Caso Marcelino Intupe: MADEM G-15 chama atenção.

O Movimento para Alternância Democrática ( MADEM G-15) convidou as autoridades nacionais para “o respeito das leis da República” e que garantem a segurança e proteção aos cidadãos. A posição do MADEM G-15 foi esta sexta-feira (02.12) expressa no Comunicado à imprensa...

0Comentarios

0 Comments

Envie um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

WP Radio
WP Radio
OFFLINE LIVE